segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

A VERDADE SOBRE O "ROMBO" DA PREVIDÊNCIA

 Seguridade Social e Aposentadoria dos Trabalhadores Brasileiros: o que os jornalões não dizem;
A tabela abaixo foi elaborada pelos auditores fiscais da Receita Federal no documento Análise da Seguridade Social de 2016. É um resumo financeiro da situação. Fui descobrir a fonte desses números nesse documento que faz um exame em detalhe com pinça e lupa da evolução das contas de receita e despesa que sustentam todos os recursos de Previdência Social. Em verdade, o que se conclui é que querem transformar os trabalhadores assalariados em alegres burros de carga até o final de suas vidas.
CurtirMostrar mais reações
Comentar

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

O MORO QUER DESTRUIR AS EMPRESAS NACIONAIS


Quem acha Odebrecht é maior escândalo mundial, veja as multas dos bancos da crise de 2008

Por Fernando Brito · 24/12/2016

campfraude2

 

Lamento informar aos que estão aí comemorando a descoberta do Brasil como o capitalismo mais corrupto do mundo, por conta da multa de  US$ 1 bilhão do Departamento de Justiça dos Estados Unidos que, como na Copa, perdemos de goleada para a Alemanha e para muitos outros np asqueroso “cammpeonato da falcatrua”.

Aliás, também foi de 7 a 1, como naquela tarde trágica no Mineirão. Porque foi de US$ 7  bilhões o acordo, entre multas e reparações firmado pelo respeitatíssimo Deutsche Bank com os americanos, por manipulação de operações bancárias e venda fraudulenta de hipotecas na chamada crise do subprime.

E com “desconto”, porque os americanos queriam US$ 14 bilhões.

Estamos muito longe de ganhar o campeonato mundial de falcatruas, que são a regra do capitalismo globalizado e parte da disputa de poder mundial. E se empreiteiro não é santo, banqueiro ganha dele fácil, nesta modalidade.

Perdemos feito também para os suíços do Credit Suisse, que levou uma bordoada de US$ 5,2 bilhões do Departamento de Justiça pelas mesmas razões, o que o leva a juntar-se ao seleto grupo dos bancões – os que sobreviveram, com larga ajuda de seus governos – JPMorgan Chase, Citigroup, Morgan Stanley e Bank of America, que acertaram outros US$ 40 bilhões.

Multas que serão pagas, claro, pelos usuários dos serviços dos bancos e pela população dos países onde operam, porque os governos os acham “grandes demais para quebrar”.

Como as da Odebrecht serão pagas com dinheiro de seus contratantes, em geral o poder público.

Não se trade de “fulano é honesto” ou “fulano é pilantra”, a máquina do dinheiro tem sua própria (a)ética.

Megacapitalista santo é como cabeça de bacalhau. Tem, mas você já viu um?

Em compensação. quem acha que bilhões e honra andam juntos, está cheio.

  • http://www.tijolaco.com.br/blog/wp-content/themes/hueman/img/share_wpp.png
     

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

RENAN E O PROJETO ANTICORRUPÇÃO

Renan Calheiros contginua desrespeitando decisões do STF. Primeiro foi a decisão do ministro Marco Aurélio, o qual foi desautorizado e desmoralizado pelos seus pares que voltaram atrás com uma votação de 6X3, isto é 6 ministros que cairam genuflexos, de joelhos, que se prostraram beijando os pés de Renan, um crápuçla, um pulha, um safado que emporcalha as nossa instituições. Agora, segundo a Folha de São Paulo " Renan de novo desafia STF e não devolve projeto à Camara", desrespeitando uma liminar do Juiz do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux. Será que não tem ninguém, NA JUSTIÇA, com moral para brecar as trapaljhadas, as fanfarronadas desse canalha Renan Caljheiros?

terça-feira, 15 de novembro de 2016

O CAPITALISMO EXPLORADOR




  
¿Quién domina el mundo?Noam Chomsky , esse incômodo professor emérito do Departamento de Lingüística e Filosofia do MIT, retorna para a briga com um livro, quem governa o mundo? (Ediciones B, 2016), no qual, como normalmente os seus próprios, levanta uma questão sensível que  exige quase 400 páginas de respostas.
A mente brilhante da pessoa, provavelmente, melhor documentado do mundo insiste que a sua denúncia das atrocidades e enormes “erros” dos poderosos, e mais especificamente os Estados Unidos com sua seqüência de aliados, continuam a cometer todas as partes -agora significativamente na Síria – a pretexto de salvaguardar a segurança de pessoas em todo o mundo.
Essa atribuição arrogante se repete ano após ano, não importa o que o chefe da administração do país que continua a governar o destino das nações. Professor Chomsky é talvez o mais respeitável moscardo que acabou de sair do império quando se esforça em apontar, com sangrentos e esmagadora documentação, gafes e violações do direito internacional que conseguiu criar a maior insegurança do que nós apreciamos tudo em tempos da Guerra Fria.
Como o autor lembra -nos , longe tem sido o ano inquestionável que Abraham Lincoln conseguiu a proibição de assassinato no direito internacional, com a sua enérgica proclamação de 1863  contra o que chamou “banditismo internacional”, imprópria das nações civilizadas.
Neste livro, Noam Chomsky, na tradução esplêndida de Javier Guerrero , analisa as estratégias que mobilizam os americanos privilegiados nem sempre, para salvaguardar os interesses de Washington e do setor empresarial mais poderoso. Repassa, colocando o os  pontos das leis e panoramas atuais dos teatros de conflito, em particular na Palestina, e sua evolução a chegar onde estamos agora.
Coloca na mesa as circunstâncias que a mudança climática ainda é negada matando os pólos e habitat na selva, entre outras ameaças; Ele propõe duas maneiras de ver o que aconteceu no ataque terrorista contra Charlie Hebdo ; traçar um esboço histórico clarificador de como controlador do mundo que requer dutos que vêm do Oriente Médio e tudo o que se passa desde que Franklin Delano Roosevelt começou sua cruzada, apenas se instalou II Guerra Mundial.
A experiência da Chomsky para trazer as questões de história com que clarificam a situação atual é admirável. Pode concordar ou discordar com as suas conclusões, mas o que não se pode duvidar que qualquer pessoa com argumento comprovado e a capacidade de ver o que acontece no mundo, como isso acontece e quem está por trás leitor, a mão invisível do poder que intitulou um capítulo do livro.
O volume começa com uma atenção dedicada à responsabilidade dos intelectuais. Um coro que se repete a determinados eventos órfãs reflexões de peso dá o exemplo a de John Dewey, após a Grande Guerra (1914/1918) mudou seu posição de “autor intelectual” por “púlpito anarquista”, mostrando uma argumentação que não deu vozes como as de Rosa Luxemburgo , Bertrand Russell e Eugene Debs , que conhecia o frio dessas prisões.
Em suma, um livro de leitura altamente recomendável que chega a apaixonar, na qual Chomsky domina o exercício de troca de jogadores em situações de conflito, a lucubrar sobre as reações da opinião pública; ou incentivar o leitor a olhar para os eventos e ações dos líderes com olhos diferentes, colocando-o  para determinar qual a posição é eticamente plausível e a que não é.
Para aqueles que suspeitam dos Estados Unidos (o “estado terrorista”), Chomsky convida à reflexão com elegantes toques de ironia sobre a realidade que vemos diante de nossos olhos. Uma lição de história e hoje.
cuartopoder.es